Cultura

CulturaÉ necessário destacar a importância da cultura como factor de desenvolvimento económico, na perspectiva em que a “adequada valoração económica da criação e difusão dos bens culturais –de carácter amador ou profissional, artesanal ou industrial, individual e colectivo– converte-se, no mundo contemporâneo, num factor decisivo de emancipação, de garantia da diversidade e, portanto, numa conquista do direito democrático dos povos a afirmar as suas identidades nas relações entre as culturas” (Agenda 21 da Cultura).

Entendemos a cultura como uma área transversal às dinâmicas municipais pois apresenta-se, a par com a educação, como base estratégica para a partilha de valores, atitudes, mensagens e memórias, assumindo a ligação entre a tradição e a inovação, entre a memória e a criatividade, entre preservação e a criação.

Nesta dinâmica assume especial relevo o papel das instituições culturais e das associações locais, assim como os agentes culturais, os artistas, os criativos e as pessoas em geral que contribuem para o desenvolvimento cultural do concelho.

Numa visão de descentralização e envolvimento dos públicos, a nossa orientação passa por uma política de incentivo à participação pública e envolvimento dos cidadãos, privilegiando o apoio às associações locais e o desenvolvimento de projectos em parceria com as mesmas.

Às instituições culturais do concelho, em especial os serviços culturais do município – Biblioteca Municipal, Arquivo Municipal, Museu de Olaria, Gabinete de Arqueologia, Teatro Gil Vicente e Empresa Municipal de Educação e Cultura, cabe planificar as suas acções de acordo com a missão de cada instituição, numa dinâmica de articulação entre as diferentes áreas da cultura.

No âmbito da programação cultural será prioritário apostar na descentralização das actividades culturais, promovendo a dinamização dos diferentes espaços culturais do concelho, incentivando a produção e a criação artística local.