Feira de Barcelos

 

 

Esta é uma das mais mediáticas feiras de Portugal. Realiza-se semanalmente, às quintas-feiras. Constitui uma tradição já antiga. Rica em cor, tipicidade, produtos hortícolas, artesanato e diversidade de produtos regionais  onde se pode sentir a alma e a cultura das gentes do Minho e de Barcelos em particular. Por tudo isto, que apenas é simplicidade e autenticidade, esta é uma das Feiras portuguesas mais conhecidas da Europa.

O aparecimento da feira de Barcelos data de 1412. Foi concedida por D. João em carta de 19 de Fevereiro do mesmo ano, a pedido do Conde de Barcelos D. Afonso, seu filho.

“... D. Afonso I concedeu ao concelho de Barcelos uma feira franqueada anual, de quinze dias, de 1 de Agosto até ao dia de Santa Maria de Agosto “por Noyte”, pois tivera informação que nesse tempo ela não prejudicaria as outras feiras, “que se fazem”, e concedeu também que essa feira gozasse todos os privilégios e franquias que tinha a de Trancoso.”

In Virgínia Rau

 

Além da feira de Barcelos ser das poucas franqueadas no Minho, era a única de realização anual. Assim, devido à sua duração e privilégios, talvez pudesse trabalhar com um certo tipo de mercadorias não existentes nas feiras circundantes.

De salientar o cuidado na concepção de feiras, em se verificar se a data não iria prejudicar outras próximas.

“Mas antes de marcar o dia exacto em que, ela se deveria fazer, ordenou el-rei a Domingues Anes Maria, seu contador, que se informasse junto de 2 ou 3 homens bons da vila em que dias havia feiras nos arredores “e fazede fazer esta em tal dia que nom faça prejuízo a ellas”.

In Virgínia Rau

 

Esta transcrição refere-se à Feira de Vila da Feira que passou a gozar de privilégios e franquias tal e qual como a de Trancoso. Esta feira anual foi das mais importantes na Beira, as suas regalias e privilégios, serviram até ao aparecimento da feira de Tomar, de base para a instituição de várias feiras franqueadas.

Sofreu a feira de Barcelos, várias alterações ao longo dos tempos.

Começando por realizar-se nos primeiros quinze dias de Agosto, não obedeceu muito a tempo a este calendário, pois pouco depois, em 1427, passou a realizar-se em Outubro, oito dias depois da feira do Ladário (“Laadario”), feira esta anual e de duração mensal.

Não foi desta vez que a data se manteve, pois em 1455 realizava-se entre Maio e Junho, primeiros 10 dias antes e 4 depois da Festa de Corpo de Deus, e mais tarde 7 dias antes e 8 dias depois da referida festa.

Embora fosse feira franqueada, os seus privilégios foram continuamente actualizados com o aparecimento da feira de Tomar, 1420 e feira de Montemor-o-Velho, 1426.

EVOLUÇÃO DO SÍTIO DA FEIRA

 

De toda a bibliografia que sobre Barcelos foi consultada, nada nos diz acerca do local onde se efectuaria a Feira nos primórdios da sua realização.

Nas cartas de Feira, raramente era referido o local onde o soberano mandava que a Feira tivesse lugar. Assim, possivelmente, seria às entidades locais que competiria escolher o local mais vantajoso.

É de supor que se fizesse intra-muros, já que são vários os decretos Reais insistindo, para que numerosas feiras tivessem local dentro da cidade.

“Esses locais parece terem sido quase sempre intra-muros (pelo menos até ao fim do século XIV), quer no Castelo, na Cerca, numa Praça, ou num chão dentro da povoação”.

In Virgínia Rau

 

A partir do século XIV, quer as feiras, quer a população, comprimida dentro dos muros do Castelo, é arrastada para fora, para locais mais espaçosos.

São vários os livros consultados, que fazem referência à Praça do Apoio, como local até onde 1827 se terá feito o mercado público e diário de hortaliças, frutas e aves. Esta praça tornando-se insuficiente, foi abandonada, passando sucessivamente a realizar-se no Largo de Porta do Valle, Praça do Calçado e em 1863 na Nova Praça do Mercado, mandada construir pelas entidades locais.

Hoje em dia esta Praça do Mercado já não existe, realizando-se o mercado ligeiramente mais a Oeste, no Mercado Municipal.

O Padre Domingos Joaquim Pereira, no seu livro “Memória Histórica da Vila de Barcelos”, referindo-se aos vários campos que a vila possuía, adianta-nos algo sobre a situação da Feira no século XIX. Segundo este autor, no Campo de S. José, antigamente Campo da Madalena, referenciado na Carta I, situado extra-muros da vila, realizar-se-ia a Feira de todo o gado e onde em 1927 se fazia somente a do gado suíno. No campo dos Touros fazia-se a feira da louça e no Campo da Feira vendia-se o gado vacum e todas as outras coisas características da Feira, já então semanal, era característica a sua dispersão por três campos da cidade.

Também José Mancelo Sampaio refere o campo de S. José como local onde outrora se realizaria uma feira semanal de Gado. Segundo as suas palavras “é fama ter-se transferido para este largo o mercado semanal do Campo da Feira, quando nele apareceram as Cruzes”. Baseando-se nestes escritos, será então de supor que em 1504 (Milagre das Cruzes), a feira já se realizaria extra-muros, pois foi aí que apareceram as cruzes. Se a sua realização era feita fora da vila, era porque a feira tinha já uma certa importância, pois no seu interior não existiam grandes espaços para acolher uma feira  de tal envergadura.

 

 

 

O MILAGRE DAS CRUZES

 

“Numa sexta-feira, 20 de Dezembro de 1504, nove horas da manhã, o sapateiro João Pires teve a visão duma cruz preta no chão, de três covados e meio de comprido, e dois covados e três quartos de ancho e de largura a quadra dela de um palmo e em todo por igual.

 

In Frei Pedro de Poyares

 

O aparecimento das cruzes no cimo da vila vai ser de grande importância para a feira.

Logo após a difusão deste acontecimento, este local converteu-se em ponto de encontro de Romaria, que no entanto foi deslocada para Maio, pois é quando nesta região, essencialmente agrícola, a vegetação entra na florescência e uma maior quantidade de produtos agrícolas estão prontos a ser expostos.

Apesar de como foi referido anteriormente, a feira se distribuir por três sítios diferentes em 1927, hoje em dia ela realiza-se no Campo da República onde em 1504 aparecem as cruzes.

 

PROBLEMAS DE PERIODICIDADE

 

Numa das duas bibliografias consultadas considera-se o culto das cruzes como responsável pela passagem a semanal da Feira de Barcelos.

 

“Entendo ainda mais que do culto do Senhor da Cruz derivou a Feira Semanal de Barcelos, porque não foi dado a encontrar referência alguma concreta, e ainda menos documental, à concessão de Feira Semanal anteriormente às notícias sobre as feiras Barcelenses posteriores ao Milagre das Cruzes”.

In José Mancelos Sampaio

 

Segundo o autor citado a existência de um mercado semanal de gado na Madalena (hoje Campo de S. José) não é suficiente para afirmar que a Barcelos fora concedida uma feira ou mercado semanal concelhio, regalia em regra constante de Carta Régia, como aconteceu com a de Viana do Castelo.

O que é certo, é que Barcelos se terá convertido num dos mais importantes mercados do país, com a particularidade de ser semanal. Já nessa altura a diversidade de produtos, o valor das transacções e as variadasindústrias artesanais, faziam da Feira um acontecimento deveras importante para a região.

“Para as cruzes se adiam negócios, merendas, ofertas e pedidos ... de amor”

In José Mancelos Sampaio

A FEIRA DO INÍCIO DO SÉCULO XX

A Feira do início deste século e do fim do século passado apresentava características obviamente diferentes. As grandes dificuldades nas comunicações devido a más estradas e meios de transporte lentos originava a existência de várias economias regionais. A rede ferroviária que se criava não possuindo a densidade da rede viária não podia quebrar o sistema económico vigente nas diversas regiões. Por esta razão as feiras representavam um papel muito importante em Portugal o que faz que ainda hoje existam e tenham reflexos importantes na economia local.

 

Lista de outras  feiras no concelho Barcelos:

 

Dia

Localidade

Observações

Quinta-Feira

Barcelos

Feira Semanal Tradicional

Sábado

Viatodos

Feira Semanal Tradicional

Sábado

Barqueiros

Feira Semanal Tradicional

4º Domingo

Barcelos Velharias

1 de Novembro

Aldreu

Feira Anual